Les françaises

19 11 2009

Hoje vou-me permitir a fazer a primeira análise à maneira de estar dos franceses.

Ontem comecei, falei do futebol e que aqui o fenómeno se assemelha muito ao que temos em Portugal. Hoje ainda ficou mais provado. Recebi pelo Tó a notícia que a França tinha passado com um golo ilegal, hoje lá estavam eles a dizer que nos jogos x e y tinham sido prejudicados e que por isso, faz parte do jogo às tantas serem beneficiados. Até invocaram o Maradona, porque afinal também ele marcou com a mão. Enfim, parece que estava na minha terra 🙂

Na maneira de estar são um pouco mais frios do que nós. Parece que têm sempre uma postura mais coloquial, não são tão acolhedores quanto nós. Claro que o facto de não perceber uma boa parte do que eles dizem também não ajuda muito, mas de qualquer modo, parece um povo mais frio e que guarda mais espaço para os separar dos outros.

No trabalho são mais pragmáticos, mais “task-oriented” e bastante menos curiosos. “O meu trabalho é fazer isto, vou fazer isto e não quero saber de mais nada”. Para a malta do metier vou dar um exemplo. Ontem e hoje estive a dimensionar linhas de entrada e de saída de PSV’s. O mínimo para nós é dar uma voltinha nos PFD’s, nem que seja para saber se aquilo é uma ETAR ou uma Central Nuclear, para eles não. Nós somos mais motivados pela curiosidade, talvez ainda sejam os genes que nos despertaram a curiosidade para descobrir meio mundo. Para mim um engenheiro que não é curioso, não é um bom engenheiro. Mas se eles realmente forem assim, basta olhar lá para fora pela janela para saber que estou errado.

 

Beijinhos e abraços!

Anúncios

Acções

Information

6 responses

19 11 2009
Tópai

Pois é.Simpaticos e acolhedores são os Portugas.Curiosos e desenrracados.A nessecidade aguça o engenho.BJS

19 11 2009
Sílvia

😀 Não me digas que já tens saudades de uma boa lista de linhas??!!! 😀

20 11 2009
Madlinha

Pois é afilhado, só te queria dizer que este site tem a minha visita diária 🙂 Fico feliz em saber que qualquer dia podes vir chefiar a Tecnoedif Norte… eheheh…. estou a brincar. Aproveita este aportunidade! Bjinho e até breve.

21 11 2009
Marco

É pá, obrigado pela assiduidade!
Relativamente à TEN, claramente não sou galo para esse poleiro 🙂 Falta-me entre muitas outras coisas, o sotaque 🙂

20 11 2009
Ritamãe

Olá Engenheiro curioso, a curiosidade fa parte da personalidade de cada um, a sede de aprender é que nos torna curiosos!Bjinho

21 11 2009
Ana

Muito interessante essa falta de interesse no contexto. Eu detesto trabalhar com pessoas assim, há-as algumas em Portugal também… Compreendo que seja mais rentável, mas não se aprende nada, não se espevita, o colaborador embrutece. Sabe fazer aquilo muito bem, porque sempre fez assim, mas não faz ideia do que está a fazer nem como fazer se mudar de contexto.

Parece que uma das diferenças já encontraste. Essa já tinha encontrado entre Portugal e Inglaterra, também em sistema de ensino (esse tipo de abordagem é muito difundido, o aprender a fazer e não a ser) o que motivou muitos problemas sociais em Inglaterra…

Isto dava toda uma tese sociológica, mas infelizmente n temos tempo 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: